Como usar o freio-motor de carro automático

Todo mundo já ouviu falar em freio-motor ou mesmo já o utilizou diversas vezes. Mas chegou o feliz momento de trocar de carro e adquirir um de câmbio automático. E agora, como utilizar o freio motor? Na verdade é bastante simples.

Novidades
3 meses atrás
Como usar o freio-motor de carro automático

O que é o freio motor?

Em primeiro lugar, o que é o freio-motor? É utilizar o próprio funcionamento do motor para reduzir ou controlar a velocidade do veículo. Isso se faz com a redução da marcha, especialmente em declives, mas sempre com o auxílio dos freios também.

Apenas o fato do carro estar engrenado numa descida já configura o uso do freio motor, mesmo que a marcha seja alta. Mas o ideal é utilizar a marcha que seria adequada para subir aquele declive.

Porque utilizar o freio-motor?

Qual a vantagem de utilizar o freio-motor se o veículo já possui um sistema de freios? A pergunta é muito válida, mas a resposta é incontestável. O sistema de freios funciona com o atrito de dois materiais (pastilhas e discos) que ajudam a diminuir a velocidade do veículo. Ainda mais com o sistema de ABS que evita o travamento das rodas e, consequentemente, a derrapagem, costumam ser muito eficazes.

Mas tudo que tem atrito com o tempo gasta. Quanto maior e mais numerosos forem esses atritos, menos tempo vão durar os componentes do sistema de freios. Além disso, em descidas muito acentuadas e longas o sistema de freios pode superaquecer e perder aderência, sendo preciso parar o veículo e esperar – por um bom tempo – que ele esfrie.

Então, o primeiro motivo para utilizar o freio-motor é a conservação do sistema de freios e estender sua durabilidade. Mas não é só isso. Talvez o mais importante seja pela própria segurança dos ocupantes. Explico-me:

Numa situação de emergência onde é preciso parar o veículo em pouco tempo e num curto espaço, os freios sozinhos provavelmente não darão conta do recado. Ou ainda para desviar de um obstáculo que surge de repente, se o carro estiver “solto” – desengatado ou “na banguela” com se diz popularmente – será muito mais difícil controlar o veículo.

Com o carro engatado o condutor terá muito mais facilidade em tomar uma atitude de emergência sem perder o controle, podendo evitar sérios acidentes.

O uso do freio-motor desgasta a embreagem?

O uso do freio-motor não desgasta a embreagem, isso é um mito. O que desgasta a embreagem é pisar nela e não soltar, por exemplo num semáforo, ou ao passar por lombadas e ficar segurando o pé por muito tempo na embreagem. Mas engatar o veículo numa marcha reduzida e tirar o pé do pedal não gasta a embreagem, e muito menos ainda a estraga.

Como saber que marcha utilizar para uso do freio-motor?

Uma resposta simples para uso do freio-motor num descida é “usar a mesma marcha que se estivesse subindo ao invés de descendo”. Uma resposta um pouco mais “técnica” é manter a rotação entre 3mil e 4,5mil rpm em veículos convencionais que abasteçam com gasolina ou etanol. Aqueles a diesel podem manter uma rotação um pouco mais baixa.

É normal que o uso do freio-motor eleve a rotação, os “giros do motor” como também são chamados. Esses giros são a movimentação interna de componentes do motor que o colocam em funcionamento e dão movimento ao veículo.

Com o carro ligado, mas parado, a rotação fica em torno de 1mil e 1,5mil giros. O giro ideal varia de acordo com cada carro, com o tipo de combustível, com as cilindradas e outros diversos fatores. Mas comumente, em média, o giro ideal do carro em movimento de impulso é de 2,5mil rpm (tentar não passar de 3mil é o ideal), isso vale também para as trocas de marcha. Enquanto que durante o uso do freio-motor, como vimos acima, essa rotação será mesmo um pouco maior.

Deixar o carro “na banguela” durante a descida economiza combustível?

Isso é outro mito. A maioria dos carros hoje em dia trabalham com injeção direta de combustível, ou seja, precisam estar alimentando continuamente o motor para que ele não “apague”.

Portanto, mesmo com o carro desengatado o motor continua ligado e girando, então continua gastando. Deixar “na banguela” não corta o fluxo de combustível. Pelo contrário, deixar o carro engatado faz com que o próprio giro das rodas mantenham o motor em funcionamento. Então, na verdade, deixar o carro engatado pode até gastar menos combustível.

Nos carros automáticos isso é ainda mais verdadeiro, sobretudo porque com o veículo em movimento a caixa de câmbio também está em funcionamento, e deixar no Neutro pode provocar uma deficiência na lubrificação do conjunto do câmbio, danificando-o de modo irreparável às vezes.

Como utilizar o freio-motor em veículos com câmbio automático?

Por fim, depois de uma longa explanação, chegamos ao cerne do assunto. Como utilizar o freio-motor em veículos com câmbio automático? Resposta simples: da mesma forma como se utiliza nos carros com câmbio manual. Explico-me:

Os carros com câmbio automático também contam com alguma forma, dependendo do modelo e da montadora, de mudar a marcha manualmente. Em alguns casos será através das Paddles Shifth no volante, em outros com toques pra frente ou pra trás na alavanca de câmbio, ou ainda mudando a posição da alavanca para os modos 1, 2 ou 3.

O fato é que em todos será possível a intervenção do condutor. O problema é que o freio motor não se fará de forma automática, precisará da ação humana para reduzir as marchas. E não, o uso do freio-motor em carros de câmbio automático não danifica nenhum dos sistemas, nem do câmbio nem do motor.

carro.blog.br

O carro.blog.br é um espaço voltado para quem ama as máquinas que nos fazem companhia tanto na rotina do dia a dia quanto na diversão do final de semana.

Vamos Bater um Papo?