Conheça a história do VW Golf em seus 45 anos

Um dos maiores clássicos da montadora alemã Volkswagen, o Golf é sem dúvidas um carro que marcou e ainda marca presença de destaque no mundo automobilístico não apenas brasileiro, como também em nível de mercado global.

História
4 meses atrás
Conheça a história do VW Golf em seus 45 anos

São 45 anos desde seu lançamento no mercado europeu e 24 de Brasil, tempo de produção suficiente para possuir histórias memoráveis, versões lendárias e construir um legado que superou até mesmo o do icônico mundialmente Fusca como veículo de maior sucesso da Volks, marca esta que o Golf se orgulha muito em ter conquistado.

História de suas gerações

O Golf atualmente está se aproximando da oitava geração (MK8), a montadora já se prepara para substituir o atual MK7 em breve no mercado mundial. No Brasil a marca abandonou a versão 1.0 e 1.4 focando na esportividade do GTI e retirou a versão perua do mercado com a chegada do T-Cross, mesmo assim o Golf promete seguir um mercado promissor no Brasil.

Assim como muitos pensam, o nome Golf é realmente sugestivo ao esporte, onde assim como o Hatch médio, consegue atrelar tanto a esportividade quanto a classe refinada dos praticantes de tal esporte.

A primeira geração chegou ao mercado europeu com a dificultosa missão de suceder o Fusca, até então veículo de maior sucesso da marca. Mas graças ao seu design interessante e ser um dos primeiros veículos de sua categoria a oferecer a tração dianteira, o Golf conseguiu se estabelecer como um líder de vendas nos EUA, visto que seus principais concorrentes como Morris Mini e Fiat 128 não caíram nas graças do público, o contrário do hatch médio alemão.

Em 1984, a segunda geração (MK2) do Golf foi lançada no velho continente já com a injeção eletrônica Bosch K-Jetronic, que conquistou diversos fãs. Foi nesta geração onde a versão esportiva icônica GTI apareceu pela primeira vez, com um motor 1.8 16v que entregava 139cv na Europa e 129 nos Eua.

A terceira geração é, sem dúvidas, a mais lembrada por todos nós brasileiros, afinal foi nesta versão em que o Golf finalmente desembarcou por aqui em meados de 1992. Os modelos que foram comercializados por aqui foram o GL 1.8, o GLX 2.0, o GTI 2.0 8v e o VR6 2.8. Infelizmente, o motor 2.0 do GTI com 16v e que produzia cerca de 150cv não foi comercializado no Brasil.

A quarta geração esteve presente por muito tempo no mercado brasileiro, mesmo que já extinta no exterior. Contando com motores como 1.4 (75cv), 1.6 (101cv EA113), 2.0 (116cv), 1.8 (125cv), 1.8 Turbo (150cv e 180cv), 2.8 V6 (204cv) e 3.2 V6 (240cv), passou por pequenas mudanças em 2002, fazendo com que a versão GTI passar a ter 180 cv ao invés de 150cv e substituindo o EA113 pelo EA111. Em 2007, foi lançada a versão com motores flexíveis Totalflex 1.6 (101cv e 104cv) e 2.0 (116cv e 120cv), geração esta que ficou conhecida como MK4,5.

Ao contrário do Brasil, já em 2003 a quinta geração do Golf já estava no mercado europeu com os motores 1.4 16V de 80 cv, 1.4 FSI 90cv, 1.4 TSI de 140cv e 170 cv, além do 2.0 GTI tinha 200cv e o R32 de 3.2 litros que rendia 250cv. Desembarcaram no Brasil pouquíssimas unidades do MK5, se tornando então uma raridade.

Novamente uma nova versão não chega ao Brasil por conta dos altos custos, a 6ª geração do Golf ficou marcada lá fora por ter se tornado mais tecnológica que os rivais. Sua produção iniciou em 2008 e se encerrou em 2013.

Fábrica de São José dos Pinhais
Fábrica de São José dos Pinhais

Fábrica de São José dos Pinhais
Fábrica de São José dos Pinhais

Finalmente chegando na sétima geração (MK7), o Golf finalmente voltou a ser comercializado em sua versão mais atual no Brasil em 2013, aposentando o já cansado MK 4,5. Esta geração possui as versões Confortline e Highline com o motor 1.4 turbo de 150cv e o rejeitado 1.6 MSI de 120cv, que foi substituído pelo motor 1.0 turbo, além é claro do icônico GTI que volta com um motor 2.0 TSI que rende cerca de 220 cv.

Porque as versões do Golf levam a sigla MK?

As versões do Golf levam a sigla MK seguido à geração do veiculo, MK quer dizer MARK, em português significa modelo.

Volkswagen Golf MK1

Volkswagen Golf MK I de 1976 (foto: Vauxford / Wikimedia)
Volkswagen Golf MK I de 1976 (foto: Vauxford / Wikimedia)

Assim como seu antecessor, o Fusca, o Volkswagen Golf MK1 provou ser influente no mercado automóvel. Em produção ininterrupta desde 1974, o Golf foi um dos primeiros hatchbacks com tração dianteira. Seus concorrentes Morris Mini, Honda N360 e Fiat 128 fizeram pouco sucesso nos Estados Unidos, mas o Rabbit, juntamente com o Honda Civic, iniciaram uma geração de compactos com tração dianteira para o mercado americano.

Volkswagen Golf MK2

Volkswagen Golf MK II de 1987 (foto: Matchboxler / Wikimedia)
Volkswagen Golf MK II de 1987 (foto: Matchboxler / Wikimedia)

Após o sucesso inicial do Golf no mercado europeu, veio a segunda geração no ano de 1984. Dotada de injecção electrónica Bosch K-Jetronic (CIS), não demorou até aparecer o primeiro GTi. Com motor 1.8 16v, o carro desenvolvia 139 cv na versão europeia e 129 no mercado norte-americano. A produção desta geração terminou em 1993.

Volkswagen Golf MK3

Volkswagen Golf MK III (foto: KGC626 / wikimedia)
Volkswagen Golf MK III (foto: KGC626 / wikimedia)

A terceira geração foi lançada em finais de 1992. No Brasil, foram comercializados os modelos GLX (2.0) e GL (1.8), além do GTi (2.0 8v dotado de fluxo cruzado de admissão) e o VR6 2.8. O GTi 2.0 16v não foi vendido no país. Na Europa, para além dos motores diesel 1.9 D 64cv, 1.9 TD 75cv e 1.9 TDI de 90 e 110cv, era possível encontrar também um motor 1.4 de 60cv, 1.6 de 75cv, um 1.6 GT com 101 cv e um 2.0 GTi de 150cv. A produção desta geração terminou em princípios de 1998.

Volkswagen Golf MK4

Volkswagen Golf MK IV (foto: Vauxford / wikimedia)
Volkswagen Golf MK IV (foto: Vauxford / wikimedia)

Volkswagen Golf MK5

Volkswagen Golf MK V (foto: M 93 / wikimedia)
Volkswagen Golf MK V (foto: M 93 / wikimedia)

Na Europa a quinta geração foi lançada ao fim de 2003. Conta com inovações como injecção directa de combustível, designada por FSI. Essa geração não foi comercializada no Brasil. Em Portugal havia o motor 1.4 16V de 80cv, 1.4 FSI 90cv, 1.4 TSI de 140cv e 170cv. O bloco 1.6 FSI debitava 115cv. O 2.0 GTI tinha 200cv e o R32 que era o topo de gama usava um bloco de 3.2 litros que debitava 250cv. No campo dos diesel a quinta geração tinha o 1.9 TDI 105cv, 2.0 TDI 140cv e 170cv. Em relação a caixa de velocidades havia de 5 e 6 velocidades manual e a caixa automática DSG.

Volkswagen Golf MK6

Volkswagen Golf MK VI (foto: M 93 / wikimedia)
Volkswagen Golf MK VI (foto: M 93 / wikimedia)

Disponível em Portugal desde Outubro de 2008 o novo Golf apresenta-se atraente com uma frente mais desportiva e atual. Mesmo assim a sexta geração do Golf que mostra uma grande evolução ficando mais moderno e desejável na Europa pais onde quem quiser dirigir um terá que visitar, deixando a quarta geração ainda na montagem de linha da fabrica no Brasil parada no tempo deixando um grande espaço entre o VW em relação seus adversários devido a sua ultrapassada tecnologia dos anos 90.

Volkswagen Golf MK7

Volkswagen Golf MK VII (foto: M 93 / wikimedia)
Volkswagen Golf MK VII (foto: M 93 / wikimedia)

Em 2013 a Volkswagen lança a Sétima Geração do Golf com linhas e estilos. Ele fica mais bonito e robusto. A Sétima Geração tem um porta malas mais amplo com 380 litros contra 350 litros da Sexta Geração. A sétima geração possui três versões: Confortline e Highline de 1.4 TSI de 140 cv. E a Versão mais cara o GTI 2.0 TSI de 220 cv. Em Janeiro de 2016 a Versão Confortline vai adotar a motorização 1.6 MSI de 120 cv no Etanol e 110 cv na Gasolina Flex Em Março de 2016 a Versão Highline continua com a mesma motorização a 1.4 TSI só que agora Flex sem que isso diminua ou aumente o seu desempenho vai continuar com 150 cv no Etanol e na Gasolina.

Volkswagen Golf MK8

Volkswagen Golf 2020
Volkswagen Golf 2020

Esta poderá ser a cara da oitava geração do Golf 2020. A foto foi tirada pelo alemão Johannes e publicada em sua conta no Instagram.

A plataforma deverá ser a mesma MQB de antes, mas contará com uma aplicação maior de aços de ultra alta resistência e deve ter ficado mais leve na maioria das versões. Entre os motores, o destaque vai para o novo 1.5 turbo, ainda não aplicado no Brasil. Já o Golf GTI pode ter potência entre acima dos 250 cv.

Versões históricas

Quando falamos de versões do Golf que marcaram histórica, a imagem da versão GTI vem a nossa cabeça de maneira praticamente instantânea. Sua força bruta e prazer em dirigir tornam esta versão a mais procurada e requisitada pelos entusiastas do Golf. Tudo teve início com a versão GTI 1.6 de 110cv de 1976 que atingia cerca de 187 km/h. Hoje na versão 2019, o modelo conta com um motor 2.0 350 TSI que entrega 230cv e velocidade máxima de 238 km/h.

Seguindo a linha de esportividade, o Golf R32 ficou marcado em nossa memória não apenas pelo brutal desempenho de seu 3.2 VR6 de 251 cv e 0-100km/h em 6,4s, mas também por ser a primeira versão da quarta geração com pegada mais esportiva a ser fabricado em território brasileiro.

Como dito mais acima, o Golf de sexta geração não veio ao Brasil e, consequentemente, a versão conversível do mesmo não chegou até nós, versão esta que caiu nas graças dos mercados europeu e americano.

Aproveitando a deixa para um Golf com maior sensação de liberdade, a Volkswagen decidiu pegar a plataforma do Golf para criar um veículo conversível chamado Eos, nome este dado em homenagem a deusa do amanhecer na mitologia grega, que além de conversível ainda contava com teto solar quando estava com a capota fechada. Para a alegria de muitos, alguns destes modelos vieram para o Brasil, e chamam atenção por onde passam.

Com toda certeza, o Golf é um carro histórico e com versões que ficarão na memória de todos ao redor do mundo. Nos resta agora esperar pela oitava geração e esperar para que esta tradição de esportividade com elegância continue por muito tempo, pois nós fãs agradecemos!

Volkswagen Golf GTE

Uma das maiores sensações do Salão do Automóvel 2018 foi a apresentação do Golf GTE, um modelo híbrido que combina com perfeição o motor a combustão com um motor elétrico alimentado por baterias de lítio. O modelo deve começar a circular no Brasil em 2019, promete a montadora.

VW Golf GTE
VW Golf GTE

O aspecto mais interessante do modelo sem dúvida é sua motorização, que está composta pelo motor 1.4 TSI de 150 cv de e 25,5 k.gfm de torque máximo, associado ao motor elétrico. Na combinação eles podem gerar um total de 204 cv de potência e de 35,6 k.gfm de torque máximo. O câmbio para ele será o DSG de 6 velocidades com Paddles Shift atrás do volante.

A bateria de lítio possui carga suficiente para que o veículo percorra 50 km sem o motor a combustão, mas essa autonomia pode ser bem maior, atingindo os 900 km, pois ela conta com um sistema de regeneração de energia que se aproveita das frenagens do veículo.

carro.blog.br

O carro.blog.br é um espaço voltado para quem ama as máquinas que nos fazem companhia tanto na rotina do dia a dia quanto na diversão do final de semana.

Vamos Bater um Papo?